XXXI Festa da Amendoeira em Flor e dos Patrimónios Mundiais

 

As amendoeiras em flor, nesta época do ano, atraem milhares de turistas ao concelho de Vila Nova de Foz Côa. Este ano, com um tempo incaracterístico, em que predomina um tempo frio e bastante seco, faz com que a região do Douro Superior esteja, relativamente, atrasada na floração da amendoeira.

 

O Município de Vila Nova de Foz Côa, pioneiro na elaboração e na concretização dos projetos relativos à Amendoeira em flor (e mais recentemente dos patrimónios mundiais), tem apostado forte neste certamente considerando-o como um investido e não uma despesa. Iniciado a 11 de Fevereiro, teve na passada sexta-feira (24 de Fevereiro) a sua abertura oficial com o Já tradicional Fado Fozcoense. Esta foi também uma forma de comemorar a recente promoção do fado na sua elevação a património imaterial da humanidade. As atividades estender-se-ão até o dia 11 de março. A diversidade cultural, a animação musical correspondente e a aposta nas sinergias locais foram fonte de inspiração para a equipa que coordena estes eventos.
 
No dia 25 de Fevereiro, pelas 21h30 os “Fiarregas”, grupo popular fozcoense, passados 20 anos da sua existência, subiram uma vez mais ao palco do auditório do centro cultural e animaram a noite, com cantigas da meninice de todos os conterrâneos que estiveram presentes e mostraram as suas raízes e o orgulho de ser Fozcoense.
 
Para terminar o fim-de-semana cheio de tantas actividades, domingo dia 26 de Fevereiro a banda portuguesa rock UHF, actuou na praça do Município pelas 21h30 e fez vibrar o público presente. Ao longo do espectáculo, foram passadas em revista as canções mais emblemáticas dos UHF, em formato acústico e em alguns casos com versões distintas das originais a que estamos habituados, desde os mais antigos como “Cavalos de Corrida”, até à mais recente “Matas-me com o Teu Olhar”. A banda interpretou ainda, magistralmente, a versão do tema “Menina Estás à Janela”, como forma de homenagear um dos grandes ícones da música portuguesa, Zeca Afonso, muito apreciado pelo líder do grupo, António Manuel Ribeiro.